Inner City – Francisco Barata

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Nesta apresentação enquadrada no evento inner city, realizado em 17-abril-2009, Francisco Barata, arquitecto, presidente do conselho directivo da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, refere que a associação metropolitana do porto ainda não passa de um slogan, que falta ao porto criar relações com as cidades adjacentes e alerta ainda para o risco que é passar directamente do discurso teórico que tem como referência cidades como méxico ou nova iorque para a realidade do Porto.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast através deste link .

Duração total –  17:28

Algumas notas:

  • por um território urbano… contra quem?
  • amp vs porto
  • compete à cidade do porto estruturar-se
  • discurso dos novos desafios e como os implementar
  • amp ainda não passou do slogan
  • ainda diferença porto / gaia / matosinhos
  • visão mais abrangente só mesmo no discurso e teses académicas
  • se não tivermos um espaço urbano hierarquizado, organizado não temos condições para defender um sistema / malha
  • falta ao porto criar relações com cidades adjacentes
  • porto devia lutar pela ligação que não foi feita no sec. xx que é uma ponte à cota baixa no enfiamento da rua d. pedro v para fechar circuito entre as duas marginais
  • o que é mais forte é a relação porto / lisboa
  • falta política reabilitação areas periféricos / bairros camarários
  • potencialidade de criar malha urbana de “ponte” com a periferia
  • novo centro do porto – boavista?
  • não confundir uma recta com uma centralidade
  • necessário alargar visão aleixo / j. diniz
  • não passar de discurso teórico que tem como referencia cidades como méxico, nova iorque, bogotá, tóquio, e trazê-los para o porto => 300.000 – 3.000.000 no mínimo
  • não há dinheiro? “sec xix fizeram-se 2 pontes com uma diferença de dez anos, depois de uma guerra civil, agora com a ue a descarregar paletes de euros em portugal, não temos dinheiro…”

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *