Debate Fundação SPES – Elisa Ferreira

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Intervenção inicial de Elisa Ferreira no debate organizado pela Fundação SPES

duração total: 22:12
Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast através deste link .

O vídeo integral de toda a sessão pode ser visto no site da fundação.

Algumas notas:

  • ligação hsj / escola => saber investigado, aplicado, difundido
  • juventudes / partidos => juventude interessados noutros problemas que os partidos não tratam, partidos querem perceber quais os temas que a juventude quer ver tratados
  • porto tem vivencia dificil relacionada com as várias crises
  • crise internacional, nacional, regional
  • nacional – país ficou demasiado para trás demasiado tempo, o que dificulta o relançamento
  • porto sempre foi cidade aberta e cosmopolita
  • reacção do porto nesta crise
  • será que fizemos tudo o que está ao nosso alcance para sair desta crise?
  • necessário explicar que nem tudo vai bem no porto
  • numeros complicados no porto:
  • – 2001-2007 – cidade portuguesa que mais população perdeu (em percentagem)
  • – cidade que se divide cada vez mais em ocidental e oriental e perdeu as pessoas que faziam a transição entre essas 2 áreas
  • – 31% pessoas >65anos, compara com 22% grande porto, 26% país
  • – cada vez menos jovens e cada vez mais idosos e cada vez mais mulheres idosas: 24% >65 anos, 12% > 75 anos
  • – 34% residentes vivem de pensões (invalidez, velhice, sobrevivÊncia)
  • – se considerarmos outros subsidios temos 114.000 pessoas a viver com apoios
  • – temos gente capaz de produzir riqueza a menos
  • logo a cidade não vai bem => enquadramento para criar uma proposta para sair desta situação
  • que não pode ser só para os que já são competitivos
  • apostas: educação, formação profissional, perspectiva cultural
  • criar condições para que os jovens e as famílias possam viver na cidade
  • não podemos ter cidade que se divide em ilhas / bairros sociais / condomínios fechados
  • qualidade vida / ambiental
  • “…para pegarmos em tudo isto nós temos que ter uma concepção que seja uma concepção de futuro, temos que ter a verdade dos números quanto ao sitio de onde partimos, temos de ter a determinação e a força para lá chegar e isso só se faz trabalhando em rede, trabalhando em rede e transformando a câmara municipal num espaço de interface, polarizador, mobilizador, porque a administração pública nos tempos que vivemos, nos tempos que correm, não tem qualquer condição de executar aquilo que a sociedade requer que a administração faça, e uma administração que se fecha sobre ela própria é uma adminstração que não está neste seculo, a administração de uma câmara assim como a administração do estado tem de estabelecer redes com hospitais com organizações da sociedade civil, com organizações culturais para que o programa final seja um programa que cubra todas as valências que o cidadão do séc xxi da europa exige mas que uma administração europeia, sobretudo portuguesa ou de um municipio como o porto não consegue sozinho providenciar.”

1 comment.

  1. […] o podcast ou ouvir cada uma das partes do debate: – Intervenção Inicial – áudio / notas pessoais – Sobre a Cultura – áudio / notas pessoais – Sobre a Educação – áudio / notas […]

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *