Conversa com Fernando Martins – muchBeta, a tecnologia

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Depois de na primeira parte temos falado mais sobre a parte de negócio da muchBeta, nesta parte exploramos mais a vertente tecnológica.
Falamos primeiro sobre o processo de desenvolvimento da muchBeta e como já evoluiu nos dois primeiros produtos que já foram lançados: Lawrd e Teepin.

Duração total: 41:43. Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast através deste link .

Fernando Martins refere como é importante afinar o conceito antes de passar para fases seguintes. Não há desenvolvimento concreto sem antes definir concretamente o âmbito, encontradas as palavras-chave que definem o que se vai desenvolver e num processo mais ou menos iterativo produzidas as especificações (sempre quase) finais.

A muchBeta utiliza uma framework que desenvolveu em php sobre a plataforma Zend, tendo essa plataforma sido desenvolvida já a pensar nas funcionalidades que o Amazon EC2 disponibiliza no que diz respeito a escalabilidade.
Apesar de usarem Windows nos computadores pessoais, a muchBeta opta por Linux nos servidores e é também grande utilizadora de aplicações Google como o Google Docs.

A opção de ter os servidores de produção na Amazon necessita sempre de explicações aos potenciais clientes (apesar de terem online a sua politica de segurança e de privacidade). De qualquer forma, esta opção conjugada com a utilização de comunicações encriptadas entre o cliente e os servidores (utilizando certificados da Digicert) tem sido garantia de segurança e confidencialidade.

Fernando Martins referiu-se ainda à opção de desenvolvimento de APIs (como a já existente para o Teepin) e como ela poderá ter um papel importante quer no próprio desenvolvimento de outros (sub)produtos da muchBeta como as versões móveis dos seus produtos mas também na integração com produtos terceiros.

Finalmente, numa perspectiva mais light, falamos dos sites e livros mais influentes.
No primeiro caso, e referindo que não tem muita disponibilidade para “frequentar” a blogosfera indicou como sites que segue com assiduidade os seguintes: Fast Company, Forbes, ReadWriteWeb, Mashable e Technorati.
Em relação a livros, para além do Getting Real de 37 Signals, com as suas ideias de simplificação e menos é melhor, referiu principalmente os livros de Haruki Murakami que permitem passar da realidade para a imaginação de uma forma muito poetica e dessa forma complementar este lado tão logico e racional que é o desenvolvimento de software.

1 comment.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *