Olhares Cruzados sobre o Porto VII – Rui Vilar

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Rui Vilar, Presidente da Fundação Calouste Gulbenkien, na primeira sessão da 7ª Edição dos Olhares Cruzados sobre o Porto dedicado às cidades europeias da cultura (“Porto 2001 / Guimarães 2012 Para que servem as capitais europeias da cultura”) , no seu papel de apresentador do tema, fez um enquadramento do tema referindo as primeiras capitais europeias da cultura (Atenas em 1985) e o ambiente de euroeuforia que se vivia na Europa nesse período do fim dos anos 80.

Recuperando o Relatório Palmer, que fez uma avaliação das capitais da cultura entre 1995 e 2004, Rui Vilar chamou á atenção para a indicação aí incluida de que “na maior parte dos casos [das capitais europeias da cultura] não houve follow-up adequado”, tendo-se perdido oportunidades e caminhos abertos.

Falou ainda do que deve ser uma capital moderna, que para além de concentrar, também deve irradiar. Nas suas palavras, “hoje ser capital é permitir que todos possam usufruir e que tenham acesso”. Um discurso que provavelmente não se aplica só à cultura.

Em relação a Guimarães, relembrou a vantagem que terá sobre a Porto 2001 pelo facto de poder contar com o trabalho já existente de reabilitação urbana. E deixou uma frase muito curiosa a caracterizar Guimarães, cidade com valor simbolico imediato, nas palavras da Arq. Alexandra Gesta: “Portugal é Guimarães, o resto são conquistas”.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast.
Duração total: 21:01

Olhares Cruzados sobre o Porto é uma organização da Universidade Católica e do Público.

1 comment.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *