Prof. José Portela – Do Contra-Desenvolvimento ao Desenvolvimento Sustentável

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Na sua apresentação no IV Encontro Convergir, que se realizou na Trofa, em 29 de Maio de 2010, o Prof. José Portela falou sobre o tema «Do Contra-Desenvolvimento ao Desenvolvimento Sustentável», situando o desenvolvimento local alternativo como possibilidade de evitar as destruições do «contra-desenvolvimento» convencional.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast.
Duração Total: 30:51

Na sua opinião, “na nossa aldeia global desenvolvimento é um termo que nos procura seduzir” quando na verdade o que encontramos à nossa volta é muito contra-desenvolvimento, isto porque, este termo “sustentabilidade” que começou por ser usado em relação à temática ambiental foi capturado por outras entidades que o usam em sentidos diversos.
Assim, empresas, agricultores, cidadãos, governos, ongs, banqueiros… todos eles falam de ambiente e sustentabilidade, mas com ideias diferentes, considera por isso que “o desenvolvimento sustentavel é uma noção simpatica mas pode levar-nos por caminhos de acomodação”.

O desenvolvimento deve por isso ser visto a partir de diferentes perspectivas: para quem? para quê? a que escala (geográfica e temporal).

Considerando que o desenvolvimento sustentável é para o Homem, temos ainda que considerar de que forma o Homem se relaciona com a Natureza. Enquanto que no passado o Homem submetia-se à natureza, numa segunda fase passou a conseguir (ou pensar que consegue) controlar a natureza e finalmente nos dias que correm cada vez mais pessoas consideram que o Homem deve conviver com a Natureza, assumindo que há uma relação delicada entre ambos e que nós (Homem) só estamos aqui de passagem.
O que leva à questão de saber o que é o Homem, e para o Prof. José Portela, o Homem é principalmente um ser em interrelação permanente, na sua relação quotidiana com a Terra, na relação transcendental e psicológica (com nós mesmos e com os outros)

Ainda nesta análise do desenvolvimento sustentável é preciso saber para quê, quais são os fins e o Prof. José Portela deixa algumas questões: O fim é a biodiversidade ou a sociedade; A natureza ou a comunidade; o homem ou o “bicho”; o rendimento das familias ou o pib; a frugalidade material ou o consumismo.

Também refere a questão da escala geográfica. Estamos a falar de um desenvolvimento sustentável ao nível das nossas casas? aldeias? cidades? metrópoles? globo?
Considerando o caso português refere a necessidade de haver “desenvolvimento local, in loco, para as pessoas que lá estão. Não vale a pena ficar pela ideia abstrata muito geral de desenvolvimento nacional quando com todos os recursos europeus o que há é uma concentração dos recursos do país na capital”

E finalmente deixa a ideia de que é preciso enquadrar o desenvolvimento numa perspectiva temporal. Para que condições futuras queremos a sustentabilidade?
Isto na verdade implica respondermos à questão de saber qual é a sociedade que antevemos no futuro. “Somos capazes de imaginar uma sociedade onde o homem cause um impacte que seja ele próprio sustentavel?

Para concluir, Prof. José Portela refere que é necessária a “acção individual e colectiva imediata (…) para que haja um repensar da tecnologia, um redefinir da economia, um refazer da organização social.”

[Prof. José Portela: Universidade de Trás os Montes e Alto Douro; agregação em Sociologia Rural, UTAD, 1995; doutoramento em Sociologia Rural, University Of Wales, Reino Unido, 1988; mestrado em Agricultura e Desenvolvimento Rural, Institute Of Social Studies, Haia, Holanda, 1981; Licenciatura em Agronomia, Universidade de Lourenço Marques (Moçambique), 1973; colaboração em matérias de desenvolvimento local, nomeadamente na associação Animar e na dinâmica das ManiFESTA (http://www.animar-dl.pt/manifesta/index.php)].

A Plataforma Convergir é uma Plataforma inter-associativa de ONGs do Porto e Noroeste com actividades nos seguintes domínios:

  • defesa do ambiente e do património natural
  • defesa do património histórico, artístico e urbanístico
  • ordenamento do território
  • sustentabilidade, incluindo a gestão sustentável dos recursos e a justiça ambiental
  • melhoria da qualidade da relação entre, por um lado, as instâncias políticas e administrativas, e, por outro lado, a participação pública
  • acompanhamento crítico da elaboração e execução dos instrumentos de planeamento oficiais nos domínios referidos.

One Trackback

  1. By Podcastem-no « Um pé no Porto e outro no pedal on September 9, 2010 at 12:58

    [...] podcast foi registado no IV Encontro Convergir e traz-nos a intervenção de José Portela – Do Contra-Desenvolvimento ao Desenvolvimento Sustentável, onde se fala de impacto sustentável e do desenvolvimento centrado nas pessoas e na comunidade (e [...]

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

*
*

Better Tag Cloud