Internet School on Digital Transformation 2010 – parte 2

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

A propósito da Internet School on Digital Transformation, ISDT10, que se realizou no Porto de 25 a 30 de JUlho falei com Tiago Assis e Ademar Aguiar para perceber em que consiste este projecto. Nesta segunda parte falamos sobre o que foram os últimos dias da conferência.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast.
Duração Total: 36:39

Este evento que é organizado no âmbito do protocolo entre Portugal e a Universidade de Austin tem como tónica central a ideia de que a tecnologia digital está a transformar o mundo. Nele foram debatidas as transformações digitais na sociedade nomeadamente ao nivel da participação cívica como o envolvimento da sociedade civil na web ou as questões políticas da web.

O terceiro dia teve a apresentação de Eric Gundersen que terá sido a nível tecnológico a mais espectacular e em que apresentou projectos de exploração de dados com o objectivo de tornar os dados mais transparentes e acessiveis, ou seja tornar a informação mais visível. (ver apresentação)

Depois tivemos a apresentação de Ademar Aguiar a propósito dos novos ambientes de aprendizagem para a nova geração de crianças que já nasceu no mundo digital. Aí apresentou o seu projecto Escolinhas que, entre outras coisas, tenta perceber quais as ferramentas a dar a esta nova geração.

A propósito disto voltou à conversa a questão da tecnologia, o que queremos fazer com ela e como enquadra-la na educação. Segundo Tiago Assis é importante evitar algum tecno-fetichismo e perceber que na essencia deve estar não a tecnologia mas um modelo pedagógico. Nesse sentido a tecnologia não é neutra já que leva a um conjunto de acções e decisões que são naturalmente diferentes das que seriam tomadas num ambiente não digital.

Já a apresentação de Laura Stein focou mais a a vertente das políticas de privacidade dos grandes sites e redes sociais e como elas são verdadeiros contratos talvez mais aplicáveis a empresas do que a relações de confiança entre individuos como se poderia pensar num “site social”. (ver apresentação)

Deixando uma perspectiva do que se faz no Brasil, Daniela Silva e Pedro Markun deixaram a ideia de que o Brasil será um dos países mais evoluidos na questão da participação cívica na rede.

Finalmente Karin Wilkins focou a questão da avaliação deste tipo de projectos, como medir o seu impacto.

ler também reportagem no JPN: Escola de verão debate papel do digital na mudança da sociedade

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *