Cidades pela Retoma – José Carlos Mota

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Apresentação de José Carlos Mota no encontro do Porto das “Cidades pela Retoma” organizado pela Associação de Cidadãos do Porto e realizado no Clube Literário do Porto a 20-out-2010.

Mais informações sobre este projecto no blog ou facebook

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast.
Duração Total: 11:00

Face à crise financeira e económica que o país atravessa, têm-se vindo a produzir recomendações para ‘equilibrar o controle da despesa pública com políticas que estimulem o desenvolvimento económico’ (Augusto Mateus, SIC, 15 Out. 2010) reconhecendo que ‘são necessárias medidas que ataquem o principal problema da economia: o crescimento’ (Vítor Bento, Público 18/10/2010).

A nível europeu, o comissário da política regional, Johannes Hahn, referiu recentemente (4 Out. 2010, http://www.theparliament.com) que ‘regions and cities have key role in EU 2020 to encourage a new economy which is smarter, greener and more inclusive‘.

Em Portugal, existe um esforço de política pública de cidades – Pólis XXI (http://www.dgotdu.pt/pc/), cujo efeito e potencial deve ser valorizado e avaliado.

Finalmente, a nível internacional importa chamar a atenção para o crescente reconhecimento do papel das cidades, quer a nível da melhoria da qualidade de vida das populações – World Urban Campaign das Nações Unidas (http://www.unhabitat.org/), quer na promoção do desenvolvimento económico – ‘No Economic Recovery without Cities’ do instituto americano Drum Major Institute for Public Policy (http://www.drummajorinstitute.org/).
Tendo a consciência que não há receitas milagrosas, nem soluções mágicas para a crise, foi entendimento partilhado que a ‘crise pode ser uma oportunidade para pensar o futuro de forma colectiva e mais qualificada’ e que as cidades podem ter um papel relevante nessa discussão.

O movimento ‘Cidades pela Retoma’ tem, assim, dois objectivos: ‘Reflectir e problematizar sobre o ‘papel das cidades na retoma económica’ e ‘Estimular a construção de uma agenda local para a retoma‘.

A agenda local para a retoma deve procurar identificar dois tipos de questões: i) nova agenda de políticas públicas de desenvolvimento local (órgãos de decisão local); ii) um conjunto de pequenas iniciativas de ‘baixo-custo’ e ‘alto valor acrescentado’ de execução e efeito rápido e visível para animar a vida económica e social das nossas cidades (cidadãos, empresas, instituições);

Num primeiro momento foram identificados nove domínios prioritários (‘sujeitos a discussão’) que essa agenda deve reflectir: 1 ) Arte & Cultura; 2 ) Economia & Criatividade; 3 ) Espaço público; 4 ) Mobilidade; 5 ) Energia; 6 ) Ambiente e Espaços Verdes; 7 ) Tecnologias; 8 ) Solidariedade; 9 ) Organização do espaço;

Queremos que este movimento mobilize os cidadãos que, um pouco por todo o país, desejam fazer algo pelas suas comunidades e pretendemos que integre pessoas com diferentes sensibilidades e percursos profissionais (dos cidadãos ‘comuns’ aos especialistas da temática das cidades, passando por empresários, personalidades das artes, cultura e dos media e individualidades que desempenhem cargos de responsabilidade política). O movimento local pode também ser institucionalizado, isto é, podem ser organizações do poder local a promover a iniciativa.

3 comments.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *