Representantes do Porto – Tiago Barbosa Ribeiro (PS)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Na primeira entrevista em conjunto com o JPN falamos com Tiago Barbosa Ribeiro, presidente JS Porto acerca das SCUT, o Diagnóstico Social da cidade do Porto, a habitação e emprego e o papel das juventudes partidárias.

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast.
Duração total: 48:41

Respondendo à pergunta o que falta fazer no Porto, Tiago Barbosa Ribeiro considera que “falta fazer tudo ou quase tudo no Porto. Considerando as várias áreas de intervenção política de uma câmara municipal, esta tem falhado no essencial. Importa recuperar ambição para a cidade. Posicionar o Porto como cidade líder da região norte, do distrito, capaz de captar emprego e residentes. Criar parcerias com a Universidade do Porto e acarinhar as empresas que cá temos. Criar condições de diálogos com as instituições da cidade.”

Em relação ao estudo Diagnóstico Social do Porto que foi realizado recentemente, referiu que é a confirmação de que pouco se fez nesta área nos últimos oito anos e que as obras e projectos que são apresentados “são obras propagandísticas e não correspondem a uma real intervenção no terreno“.
Na opinião de Tiago Barbosa Ribeiro falta “um plano de desenvolvimento social do Porto que procure salvaguardar os interesses da população, que procure inverter e focar nos problemas que temos nomeadamente ao nível da perda de população, que consiga trabalhar nos bairros sociais onde temos uma elevadíssima taxa de desemprego”.

Uma das prioridades da JS é a habitação, como meio de conseguir trazer novas pessoas para a cidade e manter aqueles que cá vivem ou que por cá passam, nomeadamente os estudantes.
Nesse sentido considera que a “Câmara Municipal do Porto tem insistido num modelo completamente errado de revitalização urbana e reconversão urbana” nomeadamente ao não ter definido um plano de especialização funcional da cidade e que leva a que actualmente os investimentos da SRU estejam a ser feitos em áreas potencialmente incompatíveis com actual movimento de dinamização nocturna da baixa, na sua opinião “é mutuamente exclusivo termos pessoas a viver na baixa do Porto e pessoas a divertir-se [nessa mesma zona]”.

Também o emprego é um tema caro à JS e mesmo se as “Câmaras Municipais, Estado e Governo não devem substituir-se a qualquer empreendedorismo individual ou iniciativa privada, [devem ter no entanto] um papel decisivo como catalisadores” e dinamizadores, algo que na opinião de Tiago Barbosa Ribeiro não tem acontecido com este executivo.
Uma das propostas do PS e JS seria a este nível e aproveitando o capital humano formado na Universidade do Porto a criação de um Parque Tecnológico no antigo Matadouro Industrial do Porto. Esta proposta permitiria não só instalar dezenas de empresas como também dinamizar uma zona desfavorecida da cidade.

Num tema mais nacional e a propósito das SCUT, Tiago Barbosa Ribeiro referiu ser a favor das portagens. Mais do que isso, disse, “sou a favor de um princípio geral utilizador / pagador”. E acrescentou “sempre tive algumas críticas ao actual modelo de concessões, (…) que foi importante para desenvolver a rede rodoviária nacional mas que hoje em dia que não é um modelo sustentável”, referindo ainda que no momento em que as SCUT foram implementadas em Portugal os outros partidos não apresentaram propostas alternativas para o desenvolvimento da rede rodoviária.

3 comments.

  1. […] das entrevistas a Tiago Barbosa Ribeiro (PS) e João Paulo Meireles (PSD) a terceira convidada deste ciclo de entrevistas ao lideres de […]

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *