Movimento Cívico pela Linha do Tua – João Joanaz de Melo

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Na sua intervenção no debate organizado pelo Movimento Cívico da Linha do Tua em Bragança a 17 de Janeiro de 2009, João Joanaz de Melo, Professor da Universidade Nova de Lisboa expõe aquelas que lhe parecem ser as principais falácias de todo o Plano Nacional de Barragens, desde à capacidade que essas barragens vão acrescentar à produção nacional de energia até ao impacto que elas têm no terreno.

Duração total: 17:57

Podem descarregar o programa directamente ou subscrever o podcast através deste link .

Algumas Notas:

  • sobre as alterações climáticas => serve de pretexto para este plano
  • uma das regiões mais importantes a nivel de biodiversidade no planeta é a peninsula iberica
  • oil peek – desde a viragem do milenio que o preço do petroleo deixou de ser politico e passou a ser conduzido pela procura, principalmente da china e da india
  • as grandes barragens produzem energia com recursos renovaveis mas não é sustentavel, ou seja o grau de destruição que uma barragem implica para a produção de energia é muito maior do que de outras fontes de energia, até de centrais termoeletricas”.
  • quem gasta energia em portugal – transportes; domestico cerca de um terço, sector industrial tem vindo a melhorar e sector do comercio a piorar
  • não estamos a cumprir as metas de quioto, portugal de 1990-2010 devia poder aumentar no maximo 27% a emissão de gases com efeito de estufa… em 2004 já tinhamos aumentado 40%.
  • intensidade energética – gastamos +10% de energia para produzir um euro de riqueza do que a média da ue27 (…) ou +20% da ue15
  • variação da intensidade energetica nos ultimos anos => ue -6% pt -2%. e temos uma eficiencia energetica pior do que em 1990
  • o plano nacional de barragens (10 barragens) significa +3% da produção de eletricidade do pais, como a electricidade corresponde a cerca de 20% da energia do pais.
  • barragem – destruição completa da paisagem original. no caso do tua é substituição de uma paisagem unica em portugal e no mundo por uma albufeira igual a todas as outras
  • destruição dos solos – os solos não ficam inutilizados durante 70 anos [tempo de duração da concessão da barragem], ficam a render para a edp por 70 anos, porque os solos ficam inutilizados para sempre, milhares de anos…perda de qualidade a nivel de turismo da natureza
  • alternativas – melhorar eficiencia; substituir as fontes de energia (usar fontes de menor impacto do que o grande hidrico)
  • com um investimento de 400 M€ 1/5 do que custa o plano nacional de barragens inteiro poderiamos poupar no minimo 6% ou até 10% do total do consumo

3 comments.

  1. Já algum tempo viajei com a minha familia desde a Regua, até Mirandela, pela linha do tua, e ficamos encantados pela paisagem, um tesouro da região e da humanidade, mas tambem ficamos muito decepcionados com a falta de aproveitamento turistico,… Muito provavelmente se tal beleza natural existisse num pais estranjeiro seria muito mais aprovetada e valorizada.

  2. viva carlos. não sabia que conhecias o meu blog/podcast.
    realmente toda essa região é fantástica mas concordo contigo em relação ao aproveitamento turistico.
    vê-se muitas placas do tipo rota disto, rota daquilo mas depois quer-se encontrar um restaurante, museu ou algo do género e é muito dificil…

  3. […] critica 1: produção de energia – as barragens projectadas pelo plano de barragens vao produzir mais 3% do total de energia. um maior aumento poderia ser conseguido se se procedesse à modernização das infraestruturas actualmente existentes. ler/ouvir intervenção de joão joanaz de melo. […]

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked *